Fiscalizações rotineiras na capital querem coibir transporte clandestino

 

A BHtrans, em parceria com Polícia Civil e o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem (DEER-MG), intensifica as fiscalizações ao transporte clandestino, após entrar em vigor a lei federal que endureceu as punições aos motoristas que atuam fora da lei.

Estão sendo feitas fiscalizações rotineiras em vários pontos da capital, para coibir o transporte clandestino de passageiros, que coloca em risco a segurança das pessoas. Vários veículos têm sido apreendidos e rebocados em diversos bairros de Belo Horizonte.

A legislação, agora, garante a apreensão do veículo e multa gravíssima a quem for flagrado realizando transporte clandestino. No caso de serviço pirata de escolar, a multa é multiplicada por cinco. 

Nos dois casos, os motoristas ainda ganham sete pontos na carteira de habilitação, conforme estabelece o Artigo 259 do Código de Trânsito Brasileiro.

E as fiscalizações precisam mesmo ser intensificadas, já que Minas Gerais é o estado com maior número de infrações no Brasil, seguido do Distrito Federal.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, neste ano, até setembro, foram registrados quase 19 mil infrações por transporte clandestino em todo o país. Em média, são 70 por dia. No ano passado, foram cerca de 30 mil infrações.

O transporte clandestino coloca em risco a segurança das crianças, já que não há qualquer controle sobre o veículo pelas autoridades competentes. Além disso, veículo “pirata” prejudica o mercado regulamentado, já que provoca concorrência desleal.

A AMSV parabeniza as ações da BHTrans, Polícia Civil do Estado de Minas Gerais e DEER-MG pela atitude. Esperamos que a segurança veicular continue sendo colocada como prioridade, para que os índices de acidentes sejam reduzidos e o segmento do transporte escolar estabilizado.

Topo